Siga!

Coluna

PAULO RAFAEL CONTINUARÁ REVERBERANDO

Um dos mais importantes músicos brasileiros do século XX, autor de riffs memoráveis nas obras de diversos artistas – como Alceu Valença -, encantou-se.

Sem dizer ao menos uma palavra ou frase de efeito, apenas com suas composições e arranjos, Paulo Rafael provou da melhor forma que era possível ser complexo, rico, diverso e, ao mesmo tempo, pop e amplamente acessível a todos e todas.


Sua guitarra única é um divisor de águas na música brasileira. Ali pelos meados dos anos 1970, Paulo estava envolto em uma efervescente cena de
música contestadora feita no Recife. Com seus colegas da banda Ave Sangria e ao lado de tantos outros ícones de nossa música urbana e psicodélica nordestina, como Zé Ramalho, Alceu, Lula Côrtes e Geraldo Azevedo, ele ajudou a cunhar uma sonoridade que até hoje influencia novas gerações de artistas – dos conterrâneos da Nação Zumbi, até os meninos do Baiana System, passando inclusive pelos sergipanos da The Baggios.


O olhar particular de Paulo Rafael sobre nossa escola de harmonia nordestina, recheou de influências afro-indigenas, mouras e anglo-europeias sua obra, que seguramente irá reverberar ainda por muito tempo. É possível ouvir um fado triste ao cantarolar o riff de “Anunciação”, com sotaque árabe, ao mesmo tempo em que
a música remonta a uma cantoria medieval, um fim de tarde em plena Boa Viagem.


O guitarrista e
ra dono de uma rara capacidade de costurar, por exemplo, Yes, Jethro Tull e Led Zepellin a tonalidades características do forró de sua terra, Caruaru. Conseguiu trazer uma contemporaneidade pop aos frevos rasgados de Maestro Duda, nas canções de Alceu Valença, seu mais próximo parceiro em diversas gravações e músicas. E assim foi fazendo links e costuras com boleros, frevos, forrós entre outras linguagens musicais fortalecendo um potente sotaque de uma guitarra brasileira, nordestina e psicodélica ao lado de escolas fortes como a guitarrada paraense e da guitarra baiana.


Paulo Rafael deixa um importante legado na música brasileira, que sempre vive este dilema de ser local ou ser colonizado, de se permitir experimentar sem perder a potência pop de melodias assobiáveis pelo grande público. Paulo nos mostra que tudo isso é possível, com entrega, cuidado, ousadia e uma doçura impar.

Escrito por

Patricktor4 é DJ e radialista, comprometido com música, cultura e comunicação, circulou por meio mundo em festivais e com o seu Baile Tropical. Fundou e esteve à frente da rádio Frei Caneca FM, emissora pública do Recife. Atualmente faz parte do time Midia NINJA contribuindo com a plataforma SOM.vc

Comente!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA MAIS

S.O.M. — Sistema Operacional da Música — Desenvolvido por Mídia NINJA, Fora do Eixo e Hacker Space.

Connect