Siga!

Coluna

40 ANOS DE SAUDADE DE ELIS REGINA

De uma personalidade marcante e carreira precocemente interrompida, aos 36 anos de idade, neste dia 19 de janeiro se completam 40 anos que a  Elis Regina se despediu de nós.

Elis sabia como se e apropriar da história que a canção trazia e expressava os sentimentos mais sinceros e profundos através do seu canto. Conhecida pela sua potência vocal e presença de palco, se consagrou em vida como uma das maiores cantoras do Brasil.

Nascida em Porto Alegre, iniciou a sua carreira aos 13 anos cantando no programa de rádio da sua cidade. Em estado constante de desenvolvimento, foi ganhando público e espaço.

No ano de 1964, momento em que o Golpe Militar foi instaurado no Brasil, a artista partiu para um novo capítulo da seu história na cidade do Rio de Janeiro.

Na cidade carioca, foi parceira de trabalho de grandes músicos como Jair Rodrigues, Zimbo Trio, Edu Lobo, Vinicius de Moraes, Gilberto Gil, Tom Jobim entre outros. Foi lá que a cantora participou de grandes festivais, consolidou a sua carreira e construiu família. Elis é mãe de Pedro Mariano, Maria Rita e João Marcello Bôscoli.

Legado

Em 22 de setembro de 2005 na Casa de Cultura Mario Quintana, em Porto Alegre, foi inaugurado um espaço memorial para abrigar o Acervo Elis Regina. Em 2015, dez anos depois, Elis foi a grande homenageada da Escola de Samba Vai-Vai, com o enredo “Simplesmente Elis – A Fábula de Uma Voz na Transversal do Tempo”. Neste mesmo ano, sua biografia “Elis Regina – Nada Será Como Antes”, escrita pela reporte Júlio Maria foi lançada.

No ano 2016, o filme “Elis”, dirigido por Hugo Prata estreou no Brasil e em 2019, a TV Globo lançou a minissérie Elis – Viver é melhor que sonhar.

Atualmente, Marcelo Braga está produzindo uma série documental com três episódios com imagens de programas, shows e entrevistas concedidos por Elis para emissoras de vários países.

Escrito por

Comente!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA MAIS

Propondo uma antropofagia pop ancestral, Victor Kinjo apresenta álbum ‘Terráqueos’

Lançamento

Transflorestar – Ato I: Iara Rennó nos convida a existir a partir da ótica do sentir

Coluna

Ópera CAFÉ, de Felipe Senna, estreia no Theatro Municipal de São Paulo nesta Terça (3)

Novidade

CONHEÇA KAMATOS

Entrevista

S.O.M. — Sistema Operacional da Música — Desenvolvido por Mídia NINJA, Fora do Eixo e Hacker Space.

Connect