Siga!

Coberturas

Mulheres do fim do mundo!

evento tri fronteiriço homenageia Elza Soares e reúne mulheres de diversas partes da América Latina

A partida de Elza Soares deixa uma lacuna insubstituível  na mente e nos corações de muitas pessoas. No Brasil, a artista foi e será referência de luta contra o racismo e a misoginia, causas que a mesma era extremamente alinhada. 

Se engana quem pensa que esse legado se limita apenas às nossas fronteiras geográficas! Elza Soares fez história e ocupa um lugar especial em muitos coraçõezinhos latino-americanos por aí, e pensando assim foi que surgiu o evento “Mulheres Do Fim Do Mundo”, que celebra todos os ensinamentos e contribuições deixados por Elza através da cena independente.

Essa foi a primeira edição do evento, que aconteceu no dia 12 de março na “A casa” @acasafoz, espaço autônomo localizado em Foz do Iguaçu (Paraná) que promove celebrações, shows e festividades voltados à música e a cena artística independente.

“A Casa” já foi palco de artistas como Maria Gadú, Marcelo Jeneci e Zeca Baleiro, promovendo a familiaridade destes artistas no circuito tri fronteiriço, sendo Foz do Iguaçu fronteira com Paraguai e Argentina, além de cenário de diversas culturas e etnias, passageiras ou não. 

 

Além da música, expressões artísticas como artes plásticas e visuais também fazem parte do repertório do evento, repleto de muita sensibilidade desde sua concepção, reunindo artistas visuais, artesãs, confeiteiras, poetisas etc;  permitindo o entrosamento de mulheres das mais variadas áreas.

Durante as apresentações musicais também aconteceram flashes tattoos, feira de brechó, vendas de camisas do evento e comidas humanizadas.

“Mulheres do Fim do Mundo” também propôs rodas de conversa sobre vulnerabilidade feminina, violência doméstica, a invisibilidade das mulheres na sociedade, a  importância do autocuidado e da formação de redes de apoio. Um evento plural com corpos trans, negres, indígenas e dissidentes, que busca promover mais consciência na população tri fronteiriça em relação ao respeito ainda desnivelado em uma sociedade machista e misógina.

A cidade de Foz do Iguaçu é famosa por suas águas e monumentos grandiosos, mas pouco se fala sobre as múltiplas culturas que formam o tecido social do território. Rica em diversidade, etnias e manifestações culturais, a cidade ganha cada vez mais destaque em suas atividades, exercidas por  coletivos independentes e ativistas vindos de diversos países, como Argentina, Paraguai, Haiti, Colômbia e Venezuela. O evento “Mulheres do Fim do Mundo” foi um encontro que possibilitou a formação de novas redes, pautando-se no respeito e integração desses povos.

Escrito por

Mediador Cultural e gestor da iniciativa LATINESE. Pesquisa, escuta, produz e escreve sobre música. Percorre a América Latina através de descobertas sonoras e múltiplas expressões artísticas!

1 Comment

1 Comentário

  1. Manu Sanches

    1 de maio de 2022 at 7:33

    O evento Mulheres do Fim do Mundo foi um marco na vida da fronteira. E agora com esse artigo, foi ainda mais além!

Comente

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LEIA MAIS

“Floresça”: Brenô nos convida a refletir sobre o cotidiano em novo discco

Lançamento

RECEBA convida guitarrista do Baiana System, Roberto Barreto, para bate-papo nesta quarta-feira, 13

Novidade

“Bruto Afável” faz chamada aberta para criações poéticas a partir das diferentes visões sobre a cidade de São Paulo

Novidade

Mostra Maré de Música retorna ao presencial e reúne Rico Dalasam e Kaê Guajajara em noite única no Rio

Novidade

S.O.M. — Sistema Operacional da Música — Desenvolvido por Mídia NINJA, Fora do Eixo e Hacker Space.

Connect